quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Poema bem escondido

Amigas, agradeço a todas o apoio pois são vocês que engrandecem este blog.
Tenho andado de volta do ponto cruz, pois tive a feliz ideia (não lamento) de me inscrever em quase todos os desafios e sals dos dois fóruns. Por isso a minha vida transformou-se numa bela tela de ponto cruz. Assim nunca me posso queixar da rotina. O poema que se segue encontrei-o numa gaveta muito escondido. Escrevi-o quando dava aulas, na altura do dia de S. Valentim, para as crianças colarem num cartão feito por elas e oferecer a quem quisessem. É muito simples mas lembrei-me de o partilhar com vocês, espero que gostem.


Só quero dizer-te...

A alegria que eu sinto
quando os teus lábios rosados
na minha face pousados
me premeiam com um beijo...

A emoção que eu sinto
quando leio aquela carta
que estiveste a escrever
só para me satisfazer

A ternura que eu sinto
quando me dás aquele sorriso
e um beijinho envergonhado
recheado com muito carinho

Este amor, eu pergunto:
terá data de validade,
e ainda que passem os anos
continuará a ser de verdade?

É que o amor tem caminhos
que nos juntam a brincar:
vamos dar graças á vida
por este amor partilhar

3 comentários:

  1. Cada vez que leio um algo escrito por ti o meu coração enche-se de carinho e amor pelo próximo, quando me sinto triste leio algum texto ou poema escrito aqui e fico cheia de amor para dar, obrigada por nos presenteares com esse dom que tens, os teus alunos têm uma sorte enorme em ter-te como educadora :) um grande beijinho Vânia e que Deus continue a iluminar-te para escreveres sempre coisas tão profundas, que ele te abençoe sempre a ti e aos teus.

    ResponderEliminar
  2. Lindo,
    Poderia ser escrito por mim dedicado ás minhas pequeninas..
    Bjos grandes
    Carla

    ResponderEliminar